Cheios de informação certas incertas

A Incredulidade de São Tomé (1602) por Caravaggio

Difícil conversar civilizadamente hoje em dia. Estamos certos demais sobre muitas coisas mas ainda sim sem convicções. Não há coisa mais chata quando caímos nisso ou vemos alguém cair nisso. Viver  na modernidade é ter certezas superficiais mas muita pouca convicção sobre as coisas. Nessa era do relativo e subjetivo, saber é um conhecimento raso sobre todos os assuntos mas não conhecer nenhum realmente.  Nossa capacidade atual de estudar algo a fundo nos tornou polivalentes em muitos assuntos mas sem uma real sabedoria sobre um assunto especifico. Nos polêmicas no facebook ou twitter todos viram especialistas naquela falsa impressão de conhecimento.

Como conhecer algo sem ler? já quase todo conteúdo na internet não chega a ser lido nem o primeiro paragrafo segundo esse texto. A fonte grande de “conhecimento” são os famigerados  vídeos,  produzidos para conseguir audiência e assim ADs pagos pelo youtube. Os tais influencers mais empobrecem do que acrescentam ao vasto conhecimento estúpido, ou seja, informação exagerada que nossa geração recebe. Visto que a qualidade de um conteúdo hoje em dia é medida por seu alcance, estrutura  e design pouco sobra para um conteúdo real e verdadeiro.

Temos acesso a uma infinidade de informação mas nunca fomos tão ignorantes. Vivi uma situação que me disse muito. Na época do impeachment assim que tinha saído eu li o pedido. Um tempo depois acabei discutindo com alguns colegas no trabalho (professores) sobre o assunto. Imagine só, eles apenas repetiam o que tinha ouvido falar ou assistido em algum vídeo sobre mas quando perguntava se tinham lido o processo , diziam que não. Nada do que falavam estava no processo e ainda sim eles falavam como se soubessem do processo. E assim caminhamos. Viva a inclusão , ao acesso a informação, a democracia e ao progresso, porque nada eles fizeram.